2017 07 << 12345678910111213141516171819202122232425262728293031>> 2017 09







JAPÃO - Parte 1: Planejamento! (♥ω♥ ) ~♪

Oi gente, tudo bem? Finalmente vamos começar a escrever os posts sobre nossa viagem ao Japão! ヽ(〃・ω・)ノ Eu (Naki) vou começar com uma introdução sobre a preparação da viagem, e a Anne vai fazer considerações no post! Vamos seguir com esse estilo enquanto falamos da viagem, pra não deixar escapar nenhum detalhe.

*Anne* Aqui~~ apenas para acrescentar detalhes :3 vamos nessa!



Enquanto planejávamos tudo, foi de grande ajuda ler posts e ver vídeos de outras pessoas que também já foram para o Japão, contando sobre o processo todo, com dicas e valores. Então decidimos retribuir o favor para aqueles que também pretendem fazer essa viagem. Esse post vai ser mais textão que outra coisa, no próximo teremos mais ibagens.

Bom, ir pro Japão era um sonho antigo nosso, mas sempre adiávamos por considerar impossível demais, muito caro, muito longe... Mas quando começamos a ver tantas pessoas realizando esse sonho, decidimos que iríamos nos esforçar pra conseguir também. Foi nossa primeira viagem internacional, e decidimos começar pelo mais difícil, pensando que tudo depois disso seria mais simples e mais perto! O primeiro passo a partir daí é guardar dinheiro, porque realmente lá as coisas não são baratas. Mas isso também foi uma lição para a gente, afinal aprendemos a economizar e organizar melhor nossa grana.

*Anne* Esse meio tempo economizando foi bem complexo. Tivemos que abrir mão de várias coisas para focar em juntar grana. Mesmo assim foi bom ver que, com algum esforço, dá para fazer acontecer. E ajudou muito a aprender a frear os impulsos consumistas.

Depois de algum tempo economizando, começamos a ficar de olho em passagens. Fizemos uma pesquisa de rotas, e as opções de conexão normalmente são pelos Estados Unidos, Canadá, Europa ou Oriente Médio. Ficamos com a última escolha, pois para lá não é preciso o visto de turista, e as passagens contumam ser um pouco mais em conta do que pela Europa. Mas com o dólar subindo do jeito que está, essa situação ficou bastante desanimadora. Não estávamos encontrando nada por menos de 5, 6 mil reais e isso era muito mais do que podíamos pagar. Nosso dinheiro estava bem contado, e já estávamos quase desistindo até que a Anne encontrou a agência BDS Turismo pelo Facebook. Estávamos meio sem esperanças, mas mesmo assim ela mandou um email para eles com a data aproximada da nossa pretensão de viagem, pedindo que eles entrassem em contato caso houvesse alguma promoção. E a sorte estava do nosso lado, pois com a ajuda deles conseguimos ida e volta pela Qatar Airways por aproximadamente 3 mil reais! Eles foram muito solícitos e as passagens foram emitidas sem nenhum problema. Isso salvou nossa viagem, pois a partir daí tínhamos a confirmação de que aquilo era real mesmo, daríamos um jeito de ir de uma forma ou de outra e ficamos muito mais focados!

Em seguida, fomos pesquisar hospedagens. Nossas opções a princípio eram hotéis e albergues, mas não estávamos muito dispostos a gastar muito com isso, visto que basicamente iríamos parar pra tomar banho e dormir nesse lugar. Não precisávamos do luxo de um hotel, aonde mesmo os mais baratos encareciam bastante nosso orçamento curto. Encontramos algumas opções de albergues legais, mas confesso que eu estava meio assim, sou meio fresca com essa coisa de dividir banheiro, e considerando que queríamos aproveitar o dia ao máximo, seria ruim se nos atrasássemos por causa de fila pra tomar banho e coisas assim :/ Foi então que a Renata nos deu a dica do Airbnb. Por lá é possível alugar quartos ou casas inteiras por curta temporada pra vários lugares do mundo. Nós então decidimos pegar apartamentos só para nós, assim teríamos a facilidade de uma cozinha, um banheiro só nosso e liberdade de chegar e sair a hora que quiséssemos. Nós fomos humildes na escolha dos apartamentos, não precisávamos de muito, mas alguns fatores determinantes nas nossas escolhas foram: o prédio ter elevador para podermos subir com as malas, incluir wi-fi móvel e ser perto de uma estação de metrô.


Fachada do nosso apto em Shinjuku gyoenmae, pelo Google Maps :)

No momento de escolher as hospedagens tínhamos que planejar nosso roteiro de viagem, já que não queríamos ficar apenas em Tokyo. Decidimos então por 14 noites em Tokyo e mais 3 em Osaka, já que de lá conseguiríamos visitar Kyoto e Nara, outras províncias de nosso interesse. (Nós também demos sorte de conseguir a passagem de volta pelo aeroporto de Osaka direto, assim não precisamos voltar para Narita!)

Nossos anfitriões foram bem tranquilos e solícitos e não tivemos quase nenhum imprevisto com isso. Gostamos muito da experiência do Airbnb, e com certeza vai ser minha primeira opção de hospedagem pra todo lugar agora. O aluguel dos nossos dois apartamentos somaram aproximadamente mil reais por pessoa no total.

*Anne* Airbnb foi a melhor opção da vida. Seja pela quantidade de oferta, pelo preço ou pela privacidade. Você consegue resolver as coisas todas pela internet, o serviço é muito seguro e os anfitriões oferecem várias coisas. Tínhamos shampoo e condicionador infinitos, sabonete líquido, toalhas e várias facilidades de hotel, mas com toda a privacidade e o gostinho de realmente viver num lugar seu em outro país.


Bia e Dani mimindo no nosso apto em Shinjuku

Outra coisa que achamos bem bacana foi descobrir sobre o Japan Rail Pass. Ele é um passe de metrô, exclusivo para as linhas da JR, fornecido apenas para turistas. Ou seja, é preciso comprar esse passe fora do Japão, e então habilita-lo por lá. Ele não é barato olhando num primeiro momento, mas o metrô no Japão é bem carinho (lá o bilhete é emitido por distância percorrida - entre 140 e 280 ienes mais ou menos), e para nós que pretendíamos pegar o shinkansen (trem bala) para outras províncias, realmente foi algo que valeu a pena. (Na realidade, depois da viagem chegamos a conclusão que tudo que for possível pagar aqui no Brasil ainda vale muito a pena, porque lá é um consumismo desgraçado, dá vontade de comprar absolutamente tudo, então é bom salvar o máximo de ienes possível pra isso. Isso porque quando você sai do Brasil, meio que só pode levar 10 mil reais em moeda com você. Falando assim até parece que eu sou rica, mas sério, esse dinheiro simplesmente SOME no Japão, e como o IOF é algo que encarece muito as compras internacionais, a gente acabou não passando nada em cartão.) Bem, nós compramos o JR para apenas 7 dias, ele começa a contar a partir do momento que você habilita o passe em uma das centrais nas estações específicas. Nós decidimos usar nos últimos dias de viagem, mas da próxima vez provavelmente pegaremos pra mais dias. Ele custou aproximadamente 900 reais na época.

Depois disso, fomos organizar um cronograma mais detalhado. Parte porque queríamos aproveitar o máximo de nossos dias e fazer rotas inteligentes que nos poupassem tempo de translado e etc, e parte porque esse cronograma é um dos documentos necessários na hora de tirar o visto. Claro que fizemos pequenas mudanças, mas principalmente o translado para outras províncias é bom que seja previamente decidido. Fuçamos muito em blogs e vlogs de meninas que já moram lá por um tempo ou que fizeram um roteiro parecido com o nosso para pegar dicas de onde passear, onde comprar coisas e bons restaurantes para comer. Isso nos ajudou bastante a não ficar perdidos por lá. Fizemos listas do que ver em cada bairro, com mapas e imagens do google maps, para caso ficássemos sem internet em algum momento. É bem complicado se localizar sem internet, e lá tem poucos estabelecimentos que oferecem free wifi. Isso acontece porque eles tem ótimos planos de celular e pocket wifi, um aparelhinho que se carrega na bolsa para qualquer lugar, então meio que todo mundo já tem internet e não faz muito sentido oferecer esse serviço.


Mais perto da viagem, nos preparamos para tirar o visto. Eu, Anne e Dani fomos no consulado aqui de Curitiba, e a Bia tirou o visto dela no Rio de Janeiro mesmo. A parte boa é que não tem nenhuma entrevista para o visto, é só entregar os documentos mesmo, mas eles são muito criteriosos nisso. No site do consulado tem tudo que é preciso levar, horários de funcionamento (eles só recolhem documentação pela manhã e entregam a tarde) e é preciso respeitar muito isso. Enquanto eles conferiam nossa documentação a moça fez algumas perguntas, aonde nos conhecemos, de onde vinha o dinheiro da minha conta (eu trabalho como autônoma, não tenho carteira assinada nem nada) quem pagou as passagens e hospedagens... Outra coisa chata é que, para tirar o visto japonês, você necessariamente precisa ter as passagens e hospedagens pagas. Ou seja, se eles negarem, você meio que perde bastante dinheiro :P por isso tiramos com um mês de antecedência, pra poder recorrer caso desse algum problema. Confesso que ficamos bem nervosos com essa parte, afinal era nossa primeira vez lidando com uma burocracia assim, mas no fim deu tudo certo. Nossa dica é, tenha bastante grana em uma conta, ou algum fiador que possa te ajudar em alguma situação de imprevisto. Eles são bem preocupados com isso.


Meu visto, JR pass e duas notinhas de 10 mil ienes :~

Por fim procuramos um bom seguro de viagem (que por sorte não usamos, mas é bem importante ter!) e fizemos as economias finais para enfim trocar nosso dinheiro e viajar! ヽ(〃・ω・)ノ

A viagem em si é bem cansativa. Foram aproximadamente 24h no avião, mais umas 2h de conexão em Doha. Isso que demos sorte de pegar conexões curtas, tanto para a ida quanto para a volta. Não tivemos nenhum problema em imigração, tanto no Qatar quanto no Japão, e nem em São Paulo na volta para o Brasil. Ouvimos histórias tão cabulosas, mas no fim pra gente foi tudo muito tranquilo.

*Anne* Na imigração em Doha praticamente ninguém falou com a gente. Na do Japão, eles falaram ingês numa boa. Mesmo que seja um inglês ~daquele~ jeito. Mas fotos tratados com simpatia, e isso foi ótimo <3.



Algumas considerações para quem está planejando uma viagem para o Japão:

♥ Compre uma mala BOA. Sério, eu, Anne e Daniel compramos malas novas (mas em promoção, malas de tecido em uma loja de shopping) e elas simplesmente foram destruídas na viagem de avião. Caiu roda, alça quebrando... A única mala que sobreviveu foi a da Bia, comprada na Le Postiche. As calçadas do Japão são maravilhosas, então malas com rodinhas nas quatro extremidades são muito melhores de carregar. Nossa sorte foi que Daniel conseguiu fazer reparos pra gente conseguir voltar com elas e não precisar gastar com malas por lá.
♥ As estações de metrô tem elevador! Eles ficam meio mocados, mas existem. Nós sofremos horrores na ida para o primeiro apartamento porque ficamos subindo e descendo bilhões de escadas perdidíssimos na estação de Tokyo com malas de mil quilos, e depois na estação de Shinjuku perto do nosso apto, até descobrir que existe sim o caralho do elevador e nós não vimos :) então FICA A DICA.
♥ Leve roupas térmicas se estiver indo no inverno, um bom casaco de frio, mas pouca roupa. Nós levamos muita coisa e no fim acabamos não usando tudo e só fez peso na mala. Eu achava que as roupas de lá não iriam servir em mim, mas todo mundo conseguiu comprar coisa perfeitamente. Então se seu objetivo é comprar, só leve poucas mudas de roupa e uma mala vazia pra compras. Eu deixei de levar sapatos no fim da viagem por falta de espaço pra trazer de volta.
♥ Alugue uma pocket wifi com antecedência. As empresas que oferecem esse serviço normalmente só tem pontos de retirada nos aeroportos. Isso ou eles enviam para o seu endereço de hospedagem, mas é muito mais prático já retirar a wifi no aeroporto.
♥ Se você está sem wifi, alguns lugares que descobrimos que fornece o serviço gratuito são: McDonalds, Lawson (rede de conveniências que salvou nossa vida) e em algumas estações de metrô eles fornecem um usuário e senha grátis para extrangeiros, basta mostrar o passaporte e você recebe uma folha com instruções de onde o sinal pega naquele determinado bairro. Usamos isso em Shibuya no primeiro dia que estávamos sem internet, mas tinha em outros bairros mais famosos também.

♥*Anne* Procure o aplicativo WIFI JAPAN. Ele é grátis e te ajuda a ter acesso em várias WIFI free no Japão, especialmente em Tóquio. Não dá para contar só com ele, mas é uma mão na roda em várias situações!

♥Baixe os aplicativos de metrô e trem! Existe especialmente em Tóquio e funciona off line! Recomendo baixar até mesmo antes de ir para o Japão, para já ir estudando as linhas <3 é bem prático!



Rua principal perto do nosso apto em Shinjuku, aquela plaquinha azul é a Lawson que nos salvou!

Acho que por hoje é só! Espero que isso possa ajudar alguém que pretende fazer esse roteiro também, a viagem foi ainda mais incrível do que nós planejávamos e definitivamente queremos voltar pra lá o mais rápido possível. Nos próximos posts vamos dividir por bairros visitados e o que fizemos em cada um deles.

*Anne* Qualquer pergunta, sintam se a vontade <3 Só digo: Não desistam do seu sonho. O Japão é um sonho muito mais possível que parece. Você não precisa ganhar na loteria, não precisa saber japonês, não precisa de um guia turístico. Só precisa de foco, determinação e muito planejamento! Nos aguardem para os próximos posts <3



Beijos e até a próxima! ヾ(。・ω・。)
[ 2016/02/05 ] Categoria: Nenhuma | TB(0) | CM(6)

Sensacional (y) Mesmo já morando aqui gosto bastante de checar posts assim. E nesse vocês explicaram de forma simples e clara como foi a experiência de vocês e dá até uma motivada pra quem também pretende viajar para o Japão :D

Só uma pequena correção: o Japan Rail Pass é passe de TREM porque a JR trabalha com linhas de trem, não metrô. Muitos estrangeiros (principalmente brasileiros?) chamam tudo aqui de metrô XD MAS TÁ ERRADO TREM É TREM METRÔ É METRÔ *chata*

E malas AI MALAS não tem como não ferrarem com suas malas, não tem jeito :/ Claro que não é bom generalizar, mas nessas viagens é tipo 99% que as malas vão apanhar MUITO 8D Então se vão colocar coisas sensíveis e mais "preciosas" na bagagem, é melhor escolher uma mala bem resistente mesmo. Mas se for só colocar roupa não tem tanto problema viajar com uma malinha mais simples :3

Esperando ansiosamente pelo próximo post <3 E AI VERGONHA SAI DE MIM NEM TO CONTINUANDO OS MEUS POSTS 8D sou uma decepção alsdhfuasdhfau
[ 2016/02/06 10:05 ] [ 編集 ]

SOCORRO QUERO <3333
Amo posts de viagem, ainda mais um tão completinho e detalhado assim! Ansiosa pelos próximosss (QUERO MUITAS FOTOS DE
VOCES ARRAZANDO NO JAPAO)

[ 2016/02/06 11:49 ] [ 編集 ]

Ai qto amor!!

Que maravilhosoo!!! Fico até emocionada de ler!! E tem muita coisa que não sei, por isso to sempre de olho nessas postagens pra saber mais quando eu puder voltar pra lá!! Obrigada pelas dicas!! To muito feliz por vcs!!
[ 2016/02/24 16:57 ] [ 編集 ]

Somente administrado pode ver.

Somente administrador pode ler este comentário.
[ 2016/04/15 09:42 ] [ 編集 ]

Somente administrado pode ver.

Somente administrador pode ler este comentário.
[ 2016/06/22 19:15 ] [ 編集 ]

Re: Sem título

Oi querida!

Então, eu diria que depende de quantos dias você quer passar lá e qual é seu foco de compras.
Isso pq assim o metro é caro e a comida também não é barata. Então, quanto mais dias ficar, são mais dias comendo e se locomovendo.

Se seu foco não for tanto compras, eu diria que pra se manter lá numa boa por 15 dias, 5 mil reais dá e sobra!

Eu levei um pouco menos de 10 mil (anne) para passar 16 dias. Como sem contar moedas, usei pra comprar ingressos da Disney, comprei varias coisinhas e deu numa boa!
[ 2016/07/01 17:45 ] [ 編集 ]

Postar um comentário













Somente o autor do blog pode visualizar o comentário.

Trackback:

この記事のTrackback URL
http://sansretour.blog.fc2.com/tb.php/70-2eb9498f